Inbound ou Outbound: qual a melhor estratégia de marketing digital para sua empresa?

Inbound ou Outbound: qual a melhor estratégia de marketing digital para sua empresa?

O marketing digital oferece muitas possibilidades e estratégias de divulgação para as marcas. Por meio dele, é possível impactar um público selecionado, sem gastar rios de dinheiro como acontecia antigamente.

É claro que não é necessário investir pesado nas técnicas, uma vez que o marketing pela internet também tem como objetivo possibilitar maneiras mais simples e baratas de obter excelentes retornos.

Dentre seus vários pilares, podemos encontrar muitas estratégias que fazem toda a diferença para os negócios. Aliás, é válido afirmar o ambiente online é o principal canal de comunicação existente hoje entre marcas e consumidores.

É claro que outros meios como o rádio, a TV e até folders e revistas impressas continuam sendo boas opções, mas é na internet que tudo acontece, de um jeito mais barato.

Só que nem tudo é tão simples assim, e apesar de o marketing digital ser algo fantástico, as empresas precisam saber trabalhar com ele, para não patinar nos resultados e acabar não chegando a lugar nenhum.

Pensando nisso, neste artigo, vamos falar sobre o que é Inbound e Outbound Marketing, as diferenças entre eles e quais são as melhores estratégias para você aplicar no seu negócio.

O que é Inbound Marketing?

Inbound Marketing é uma estratégia também conhecida como “Marketing de Atração”, e tem como objetivo atrair e fidelizar clientes.

Ou seja, quando uma fabricante de divisoria de banheiro em granilite investe em Inbound Marketing, ela não vai atrás do cliente, mas, sim, desperta seu interesse para que ele vá até ela.

Essa atração acontece por meio de conteúdos de qualidade feitos especialmente para determinado público-alvo. Mas ele deve ser relevante e estabelecer uma comunicação com as pessoas certas.

Só que para despertar um interesse genuíno do público, é necessário saber quem são essas pessoas e o que elas desejam. Sendo necessário entender:

  • Seus interesses;
  • Suas dúvidas;
  • Suas necessidades;
  • Seus desafios.

Dessa forma, é possível oferecer materiais que de fato ajudem essas pessoas a resolverem seus problemas, enxergando na empresa a solução que elas precisam.

O que é Outbound Marketing?

O Outbound Marketing também pode ser conhecido como “marketing tradicional”, e tem como objetivo atrair clientes por meio da oferta de produtos e serviços.

Portanto, nesse caso, uma fabricante de viga aço carbono vai atrás de seu cliente ativamente, sem tentar despertar nele um interesse genuíno. 

Trata-se de um tipo de marketing que cresceu muito por meio de canais como:

  • TV;
  • Jornais;
  • Revistas;
  • Mala direta;
  • Cartazes;
  • Patrocínio.

Ou seja, faz uso de meios bem tradicionais de marketing e publicidade, mas também da internet. O investimento no Outbound também é diferente do Inbound, afinal, estamos falando de mídias mais caras.

Diferenças entre Inbound e Outbound

Conforme você mesmo pôde ler na descrição de cada uma dessas duas estratégias, uma despachante de carteira cnh pcd pode usá-las desde que saiba qual é sua intenção: ir atrás do cliente ou trazê-lo até ela.

No entanto, existem outras diferenças que se acentuam entre essas duas ações, tais como:

1 – Comunicação

Uma das principais diferenças é a maneira como o consumidor é impactado pela mensagem.

Enquanto o Outbound age de maneira mais interruptiva, por meio de anúncios na TV e nas revistas, intervalos comerciais ou até os famosos cold mails, o Inbound está focado em uma comunicação menos intrusiva.

A ideia central dele é criar conteúdos de valor que façam com o cliente procure pela marca.

2 – Quem procura quem?

Enquanto no Inbound o lead vai até a empresa, no Outbound é a marca quem dá o primeiro passo.

No marketing tradicional, uma fabricante de balão de festa personalizados gera uma lista de potenciais clientes e, por meio de algumas ações ativas, como ligações telefônicas, vai atrás desses contatos.

Entre as duas estratégias, calcular o melhor custo-benefício vai depender de alguns fatores. Por exemplo, no Inbound, os vendedores recebem os potenciais clientes que já sabem que precisam solucionar um problema.

Já no caso do Outbound, o caminho é o inverso. Os vendedores vão atrás daqueles leads que estão mais propensos a fechar negócio. 

Mas vale ressaltar que, independentemente de qual estratégia esteja sendo trabalhada, é fundamental despertar o senso de urgência.

3 – Custos e ROI

Uma pequena empresa de porta aço automatica não possui os mesmo recursos de uma grande concorrente do mesmo setor. Por isso, é natural que ela escolha os meios mais viáveis para ela financeiramente.

O ideal é trabalhar com as duas estratégias, mas a gente sabe que nem sempre é possível. Dessa forma, o Inbound acaba se tornando mais viável para as pequenas empresas.

Isso porque, com um mesmo material e com uma mesma ação, é possível que uma marca se comunique com diversos leads que se transformam em oportunidades para ela.

No entanto, mesmo sendo uma opção mais barata, o ROI (ou Retorno sobre Investimento) tende a demorar um pouco mais, isso porque, por exemplo, um blog com conteúdos relevantes sobre decorações que aborda assuntos como carpete de rolo para escritório não se constrói da noite para o dia.

Já o Outbound, apesar de ser mais custoso no início, traz resultados muito mais rápidos. Isso porque ele depende da empresa e não do público.

4 – Qualidade do conteúdo

Ao falarmos sobre Inbound, estamos nos referindo a bons conteúdos que atraem os consumidores. No entanto, não podemos dizer que no Outbound não existe essa preocupação.

Isso porque não basta convencer o consumidor de uma compra, é preciso manter contato com ele depois. Daí entra a necessidade de gerar valor para ele, tanto no Inbound quanto no Outbound.

Para isso, é necessário personalizar a mensagem, se interessar em resolver o problema do lead e mostrar que está disposto a escutar o que ele tem a dizer. Dessa forma, a empresa torna-se mais apta a resolver esses problemas.

Isso pode ser feito tanto por meio de uma boa publicação quanto por meio de uma cold call.

Melhores estratégias em Inbound e Outbound

Assim como em tudo no marketing digital, tanto o Inbound quanto o Outbound possuem aquelas estratégias que se destacam.

No Inbound Marketing

O principal objetivo de uma empresa de elevador automotivo portátil ao usar o Inbound Marketing é atrair leads, e para isso, ela precisa de estratégias como:

Blogs

O blog é a base das estratégias Inbound e o canal onde conteúdos ricos e relevantes serão publicados. 

Os materiais precisam abordar as dores e necessidades dos visitantes, mostrando as soluções disponíveis.

Redes sociais

As redes sociais são indispensáveis para firmar uma marca no mercado e disseminar os conteúdos postados por ela no blog.

Além disso, essas plataformas já se tornaram parte do relacionamento com o cliente, entrando até mesmo como ferramenta de atendimento.

SEO

SEO é um conjunto de estratégias que visam otimizar os mecanismos de busca, colocando a página de uma empresa entre as primeiras colocadas do resultado.

Então, se uma pessoa procurar por motor elétrico, ela vai encontrar o site daquela empresa que usou essa estratégia na primeira página de pesquisa dos buscadores.

No Outbound Marketing

Já o Outbound ajuda as empresas a ir em busca de seus leads, por meio de boas estratégias como:

Links patrocinados

São propagandas em formato de anúncio veiculadas pela internet em diferentes canais. Geralmente, eles são exibidos em lugares como o Facebook, página de buscas do Google e LinkedIn.

Uma vantagem dos links patrocinados é que as empresas conseguem segmentar bastante, para que possam atingir aquele público que realmente tenha interesse no que ela vende. 

Portanto, é um marketing tradicional, porém mais direcionado.

E-mail marketing

Toda empresa possui uma base de contatos proveniente de estratégias como formulários, CTAs e conteúdos em formato e-book. 

No Outbound, enviar propagandas por e-mail se constitui como uma versão mais moderna da famosa mala direta.

Só que o e-mail marketing também traz outras vantagens que vão além das tentativas de vendas, e que também auxiliam as de Inbound, como no caso da divulgação de conteúdo.

Ele também visa atrair visitantes para o PDV (pontos de venda) e estreita o relacionamento que a empresa tem com seu público consumidor.

Conclusão

Tanto o Inbound quanto o Outbound são ações importantes para qualquer modelo de negócio, uma vez que tudo o que envolve o marketing digital é vital para as marcas.

São estratégias excelentes e que trabalham muito bem separadas, no entanto, a boa notícia é que elas também se complementam, o que enriquece ainda mais os esforços em marketing por parte das organizações.

A empresa pode, por exemplo, compartilhar conteúdos de qualidade em seu blog e usar os links patrocinados para atrair visitantes para o canal.

Existem milhares de outras possibilidades e todas elas vão agir conforme as necessidades do seu negócio. Depois, é só colher os bons resultados e ver a marca crescer.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Saiba como divulgar sua marca na internet

A divulgação na internet deixou de ser um diferencial para se tornar algo obrigatório para as empresas que querem obter reconhecimento no mercado, captar mais clientes e aumentar as vendas.

Afinal de contas, só no Brasil, mais de 70% da população está conectada, o que equivale a 126,9 milhões de pessoas, segundo uma pesquisa realizada pela TIC Domicílios, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Além disso, um estudo feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) demonstrou que 97% das pessoas buscam por informações online sobre produtos e serviços, antes de comprar em lojas físicas.

Isso sem contar quando os usuários decidem comprar pela internet mesmo, sendo possível observar o crescimento dos e-commerces, marketplaces e de profissionais que oferecem produtos e serviços diretamente em plataformas online.

Hoje em dia, basta digitar “bobina térmica atacado” e já se deparar com milhares de resultados, empresas, conteúdos. 

A internet tem ganhado cada vez mais espaço, portanto, é preciso aparecer no mundo virtual, através de canais de comunicação e estratégias de marketing digital.

No artigo de hoje, saiba como divulgar sua marca na internet e alcançar sucesso com seu empreendimento. Acompanhe a leitura!

1 – Comece pelo planejamento de marketing digital

Assim como no mundo físico, onde é preciso se planejar para fazer uma divulgação em outdoor, ou qualquer mídia tradicional (jornais, revistas, televisão, rádio), o marketing digital também precisa ser feito com base em um projeto.


Não adianta nada você começar a criar ações de marketing online, como uma divulgação no Facebook de buffet domicílio feijoada, sem uma estratégia direcionada e assertiva. 

Se não houver orientação, corre-se o risco da empresa sair no prejuízo.

Além do mais, o marketing digital não é somente produzir um anúncio nas redes. Ao contrário, é preciso potencializar as ações, com iniciativas engajadas, integração dos canais virtuais e um planejamento prévio, em busca de um objetivo.

Por isso que ações isoladas costumam não ter tanto efeito na divulgação da sua marca. 

É necessário alinhar as metas da empresa, saber o que se deseja alcançar com o marketing digital e verificar os melhores canais para promover a sua empresa.

2 – Conheça o seu público-alvo

Diferentemente do marketing tradicional, onde um anúncio de divisoria de granilite banheiro, por exemplo, é exibido na televisão para um número massivo de pessoas, de forma homogênea, as estratégias online têm um direcionamento. 

Ou seja, elas são veiculadas para um público certo, no momento certo.Por esse motivo, é importante levantar alguns dados a respeito da audiência. Entre as principais informações, destacam-se:

  • Gênero e idade;
  • Nível de escolaridade;
  • Nível socioeconômico;
  • Profissão;
  • Preferências e hobbies.

A partir disso, é possível construir a persona, um personagem semi-fictício do cliente ideal. 

Desse modo, ao propor um anúncio digital sobre tirar a primeira habilitação, por exemplo, o conteúdo será focado em um público específico, orientando a forma de abordagem, a linguagem e muitos outros aspectos.

Existem algumas ferramentas gratuitas na internet, capazes de levantar informações a respeito da audiência, como é o caso do Google Analytics. 

O recurso traz dados detalhados sobre as características do público, ajudando na construção e elaboração de inúmeras campanhas de marketing digital.

3 – Tenha um site da sua empresa

Depois de identificar o público e fazer o planejamento de marketing digital, chegou o momento de colocar algumas estratégias em prática. 

A primeira delas é ter um site institucional da sua empresa, onde os usuários podem encontrar as principais informações do seu negócio, como telefone, endereço, contato de e-mail, etc.

Independentemente do segmento do seu negócio, seja uma loja especializada em decoração balão metalizado, ou um restaurante, ter o próprio site é a presença digital mínima que a sua empresa precisa.

Mesmo para negócios locais, as páginas da web aumentam as chances do seu empreendimento ser encontrado pelas pessoas interessadas. 

Além disso, o site é uma maneira de conseguir autoridade no mercado, pois os clientes têm mais confiança em negócios com páginas próprias.

Vale dizer que para os pequenos negócios ou empreendedores que estão começando agora, o investimento em um site pode ser muito mais vantajoso, pois ele abre possibilidades de comercialização na internet. 

Desse modo, pode-se focar em vendas online, com significativa redução de custos com infraestrutura física.

4 – Esteja presente nas redes sociais

O relatório Digital in 2019, da We are Social e da Hootsuite, observou que 66% dos brasileiros estão ativa nas redes sociais. 

De acordo com o estudo, 89% dos entrevistados usam esses canais com um viés comercial, isto é, para procurar por produtos ou serviços pela internet.

Portanto, estar presente nas redes sociais é investir na captação de leads (potenciais clientes), além de ser uma maneira de fidelizar os consumidores, com a atualização constante das páginas e dos perfis comerciais.

Cada uma dessas plataformas possui uma especificidade. Por exemplo, o Instagram tem foco no visual, por isso, é muito mais interessante usar uma boa foto de uma estrutura metálica cobertura, do que um artigo longo.

Por esse motivo, vale a pena fazer um planejamento de marketing para cada um desses canais, sempre verificando onde a sua persona está. Afinal, de nada adianta ter uma ótima campanha no LinkedIn, se a maioria dos seus clientes usa o Facebook.

Lembre-se também de ter uma constância na atualização dos conteúdos, para deixar os leads nutridos e bem informados, bem como alcançar reconhecimento na internet. 

Até porque os próprios algoritmos das redes sociais são muito efêmeros, daí a necessidade de produzir materiais com frequência.

5 – Elabore planos de marketing de conteúdo e SEO

Na internet, as pessoas não querem ver apenas uma propaganda invasiva sobre um chaveiro automotivo chave codificada

Ao contrário, elas querem saber mais sobre o produto, obter informações relevantes e consumir materiais relevantes, para ajudar a formar um conhecimento sobre aquilo.

Por causa disso, o marketing de conteúdo anda de mãos dadas com as principais estratégias de divulgação online.

De modo simplificado, o marketing de conteúdo nada mais é que a produção de materiais interessantes ao público-alvo, que podem aparecer em diversos formatos, como artigos de blogs, vídeos tutoriais, infográficos, etc.

Apesar de não ser algo restrito à internet, o marketing de conteúdo encontrou um campo muito fértil para se desenvolver, principalmente com os blogs, plataformas muito usadas para as empresas no compartilhamento de conteúdo.

Mais do que informar a respeito de um assunto, a estratégia também é capaz de tornar a sua empresa uma referência no mercado e ajudar na captação de leads. 

Afinal de contas, os usuários tendem a confiar mais nos empreendimentos que transmitem informações verídicas para o público.

Somado a isso, também é possível aplicar o SEO (Search Engine Optimization), ou otimização para os mecanismos de busca, um conjunto de técnicas que ajuda a melhorar a classificação da sua página nos buscadores, como o Google.

Uma das principais metodologias é a aplicação de palavras-chave, como “aço armado ara laje”, na produção de conteúdo. 

Dessa forma, quando um usuário digitar o termo, o seu blog ou site pode aparecer entre os primeiros resultados de pesquisa, o que aumenta o número de visitantes e melhora a conversão de leads.

Além do emprego de palavras-chave, o SEO considera a boa experiência do usuário, a qualidade do conteúdo e a navegabilidade em dispositivos móveis (tablets, celulares e smartphones).

6 – Envie mensagens por e-mail

O e-mail marketing é uma estratégia usada na nutrição de leads e na fidelização de clientes. O método consiste no envio de mensagens personalizadas aos usuários previamente cadastrados na lista de contato, com conteúdos informativos (newsletters e boletins), bem como promoções, ofertas e descontos.

Mesmo com o avanço de múltiplos canais de comunicação online, o e-mail é considerado por 72% dos usuários como o meio mais seguro para troca de mensagens com as empresas. 

Fora isso, mais de 92% das pessoas utilizam o recurso, sendo 61%, diariamente.

Assim como as demais estratégias para divulgar a sua marca na internet, o e-mail marketing também requer um planejamento específicos, fazendo a segmentação dos contatos, personalização das mensagens e automação de envios.

Também é preciso ter atenção ao conteúdo, com foco na experiência dos leitores, já que isso é o principal fator de conversão e de vendas.

Conclusão

O marketing digital cresceu muito nos últimos anos, devido ao crescimento exponencial da internet e os inúmeros avanços tecnológicos no ambiente virtual, que ampliaram os meios de comunicação e de divulgação.

Por esse motivo, estar presente na internet é uma obrigação das marcas que querem obter destaque no mercado e sobreviver aos próximos. 

O novo comportamento do consumidor também exige essa presença, com buscas online cada vez mais frequentes e a preferência pela compra virtual.

Desse modo, vale a pena fazer um planejamento estratégico em marketing digital, aplicando as melhores técnicas de divulgação da marca para captação de leads e fidelização dos clientes.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Como usar o e-mail marketing na sua empresa

O e-mail marketing é considerado uma das estratégias mais eficazes para a fidelização dos clientes e nutrição de leads (potenciais clientes). 

Mesmo com o crescimento das redes sociais e outras plataformas de comunicação, o correio eletrônico possui seu lugar ao sol, com amplo destaque no marketing digital.

Nos dias de hoje, há mais de 4,3 bilhões de contas de e-mail ao redor do mundo. Do total de pessoas com acesso à internet, cerca de 92% utiliza o recurso, sendo que 61% delas, acessa diariamente. 

A perspectiva é que esse número aumente, pois o e-mail é considerado uma das ferramentas mais completas de comunicação online.

De acordo com uma pesquisa da MarketingSherpa, 72% dos consumidores escolhem o e-mail como o melhor canal para receber mensagens de empresas e marcas. 

Um estudo feito pelo Lenskold Group demonstrou que usar o e-mail para enviar um conteúdo de negócios o torna 113% mais relevante aos clientes.

Diante desses números, já dá para perceber o quanto o e-mail marketing é importante. Não é à toa que incluí-lo no planejamento é uma forma de aumentar as chances de venda e ter sucesso no mercado.

Mas, como usar o e-mail marketing na sua empresa?

O artigo de hoje vai responder a esta pergunta, dando dicas para o desenvolvimento da estratégia no seu negócio. Acompanhe a leitura!

Afinal de contas, o que é e-mail marketing?

O e-mail marketing pode ser usado por todo e qualquer tipo de empreendimento. Desde um chaveiro 24 horas, até uma grande multinacional. No entanto, independentemente do porte da organização, é importante saber como usar a estratégia, para obter um ROI (Retorno sobre Investimento) positivo.

Em resumo, o e-mail marketing é uma estratégia de comunicação entre empresas e consumidores, por meio do envio de mensagens por correio eletrônico. 

Esse contato é feito através do disparo de e-mails segmentados por ferramentas de automação, que personalizam o conteúdo.

Por exemplo, quando recebemos um e-mail com uma oferta de impermeabilização de fachadas, é uma maneira da organização entrar em contato, oferecendo uma promoção para os clientes devidamente cadastrados.

É importante saber diferenciar o e-mail marketing do spam. 

No primeiro caso, os usuários decidem se cadastrar na lista de contatos da empresa, em troca de conteúdo relevante (um e-book, um webinar, um cupom de desconto, etc). 

Já o spam, é o envio massivo de mensagens não solicitadas, normalmente com compra de listas.

Por esse motivo, para fazer um e-mail marketing de qualidade, devemos seguir boas práticas, incluindo a opção de descadastramento da lista, a aquisição de contatos organicamente e o envio de conteúdo valioso. 

Caso contrário, corre-se o risco da estratégia tornar-se um spam – o que não é bem visto pelos clientes.

Alguns exemplos comuns de e-mail marketing são:

  • Newsletter (ou boletins informativos);
  • Envio de e-books;
  • Promoções e ofertas;
  • Confirmações de compra online;
  • Acompanhamento do pedido;
  • Pesquisas de satisfação.

O e-mail marketing é capaz de chamar toda a atenção do lead. Afinal de contas, quando ele abre a mensagem com uma oferta de buffet a domicílio de churrasco, o conteúdo ocupa boa parte da tela (seja um dispositivo móvel ou um computador), fazendo com que o usuário consuma o material.

Por esse motivo, uma das coisas mais importantes na estratégia de e-mail marketing é ter atenção ao conteúdo, pois ele será o responsável por nutrir os potenciais clientes e, até mesmo, ajudar a fechar um negócio (compra de produto ou serviço).

Quais as vantagens do e-mail marketing para a sua empresa?

Além de oferecer conteúdo relevante aos leads e ser considerado o canal de comunicação mais confiável da internet, o e-mail marketing traz muitas outras vantagens para as empresas. Abaixo, confira algumas delas.

1 – Mensuração do alcance

As publicações em redes sociais não são previsíveis. Quando elaboramos um anúncio de pallet de plástico branco no Facebook, por exemplo, nem todas as pessoas que seguem a sua página irão visualizar o material. 

Isso é por conta dos próprios algoritmos da rede social, que definem os conteúdos importantes que chegarão aos usuários.

Mas com o e-mail marketing não temos essa imprevisibilidade. Até porque, ao selecionar 100 contato para envio da mensagem, todos eles receberão o e-mail na caixa de entrada (com exceção se houver problemas técnicos).

2 – Diversificação de formatos

Os conteúdos de e-mail são bastante flexíveis. Isso quer dizer que se a empresa deseja enviar um vídeo tutorial de como funciona uma chave automotiva codificada, ela pode fazer isso via e-mail. 

Ao contrário do que ocorre nas redes sociais, em que cada uma possui a sua especificação, o e-mail marketing permite uma grande diversificação de formatos.

No entanto, é preciso seguir as boas práticas para construir o layout dos e-mails, para que o usuário sinta-se atraído pelo conteúdo e realize alguma ação (assista ao vídeo, faça uma compra, entre outras).

3 – Relacionamento com o cliente

Quando uma pessoa se inscreve na sua lista de e-mails, seja para receber um cupom de desconto em uma divisória com granilite para banheiro ou outro conteúdo relevante, ela espera que a empresa mantenha o contato.

Ou seja, o relacionamento é a base de toda a estratégia de e-mail marketing. 

Afinal de contas, a proximidade é capaz de fidelizar os clientes e, além disso, construir a sua credibilidade e reconhecimento no mercado, influenciando no aumento das vendas.

4 dicas para aplicar o e-mail marketing no seu negócio

Apesar de todas as vantagens do e-mail marketing, é preciso ter cuidado na hora de elaborar a estratégia, para que ela não vire um spam e afaste os leads. 

Por esse motivo, separamos algumas dicas para aplicar o método no seu negócio.

1 – Faça a segmentação de contatos

Essa é a etapa mais importante do e-mail marketing. Imagine, por exemplo, que um cliente já comprou um produto da empresa, como uma caixa personalizada kraft, enquanto outro usuário acabou de conhecer o seu negócio.

No exemplo acima, temos dois perfis diferentes de clientes e, portanto, é necessário enviar mensagens de e-mails personalizadas. 

Para o primeiro, uma pesquisa de satisfação ou uma oferta; para o segundo, um conteúdo mais aprofundado, como um e-book.

Além da personalização por interesse e de acordo com a jornada de compras, é preciso conhecer mais sobre o seu público-alvo. 

Isso irá ajudar na definição da linguagem, o tipo de abordagem e para analisar quais são os conteúdos mais interessantes para a audiência.

Por isso, é normal que os cadastros em lista de e-mails venham acompanhados de outras informações, como nome completo, idade, profissão, entre outros dados demográficos usados para personalizar as mensagens.

Hoje em dia, com as ferramentas de automação, também é possível incluir o nome de cada um dos contatos no início do conteúdo, tornando-o muito mais próximo – algo extremamente positivo na construção do relacionamento com o cliente.

2 – Tenha uma frequência de envios

A regularidade é outro ponto importante da estratégia. Afinal, o público precisa se lembrar do seu negócio, mas isso não pode se tornar algo repetitivo demais. 

Ou seja, tanto o excesso quanto a falta podem ser prejudiciais para o e-mail marketing.

O ideal é definir um dia da semana e horário. Recomenda-se o disparo uma vez por semana, mas isso pode ser ajustado conforme as preferências dos clientes.

Lembre-se de destacar as datas comemorativas que fazem sentido para a audiência e para a sua empresa, como natal, ano novo, etc. Dessa forma, é possível enviar mensagens com ofertas datadas aos consumidores.

3 – Crie um título chamativo

O título será o responsável por cativar o usuário e fazer com que ele abra o conteúdo do seu e-mail. Por isso, se a intenção é mandar um cupom de desconto para a etiqueta adesiva amarela, deixe isso claro no título, mas o escreva de forma criativa.

Compare, por exemplo, as duas construções:

“Pediu um cupom de desconto? Tá na mão!”

ou

“Cupom de desconto para etiqueta – Loja X’.

Ambos títulos tratam sobre o objetivo da mensagem, no entanto, o primeiro é muito mais atrativo, o que pode melhorar o relacionamento e fazer com que o usuário clique no e-mail.

4 – Use textos curtos e objetivos

O texto do e-mail precisa ser curto e objetivo, para que o usuário leia com rapidez e seja convencido a realizar alguma ação. 

Vale a pena ter parcimônia no uso de algumas palavras que geralmente aparecem no spam, como “grátis”, “promoção”, “imperdível”, etc.

São termos extremamente comerciais que podem prejudicar a mensagem. Por isso, assim como o título, mostre algo interessante aos leitores, sem deixar de lado a qualidade.

Conclusão

O e-mail marketing é uma ferramenta poderosa de nutrição de leads e relacionamento com o cliente. 

Muito disso, deve-se à popularidade do canal, usado por grande parte dos usuários com acesso à internet, bem como pela eficiência no envio de mensagens.

Por isso, é importante seguir as boas práticas na construção e automação de e-mail marketing, para alcançar resultados incríveis e aumentar as chances de venda da empresa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

5 dicas simples de Design Gráfico para o seu site

Um bom design gráfico é o principal recurso para que um site se diferencie e fique a frente de seus concorrentes, além de ser a porta de entrada que vai agradar os visitantes.

A internet se tornou o principal canal de comunicação entre empresas e pessoas e, muito em breve, se tornará o principal meio de compra e venda.

Por isso, é fundamental que as empresas invistam em seus sites, para se destacar no mercado e driblar a concorrência, que está cada vez mais acirrada.

De nada adianta investir em conteúdos se o site não se apresenta adequadamente. Mesmo que o material seja extremamente rico, a plataforma que o veicula precisa estar à altura.

Dessa forma, não basta apenas publicar conteúdos em textos, vídeos, e-books e outros formatos, também é importante mostrar bom gosto e um site funcional que traga uma boa experiência para os visitantes.

É isso o que vai aumentar o engajamento, tornar o conteúdo mais atraente e evidenciar o seu negócio no mercado. E o design gráfico tem papel fundamental nesse processo.

Ele é o responsável por deixar as páginas com ares mais profissionais, aumentando a interatividade e melhorando o apelo visual, despertando o interesse do leitor.

Por isso, neste artigo vamos falar sobre o que é design gráfico e dar algumas dicas para que, ao aplicá-lo, você ganhe destaque.

O que é design gráfico?

“Design” é uma palavra em inglês que, de maneira ampla, significa “projeto” ou “desenho”. A sua definição é algo muito complexo, porque ela se vale de todos os elementos tangíveis e sensoriais.

Para uma empresa de pintura de fachada, o design pode ser projetar, planejar ou executar alguma coisa com apelo sensorial. Aliás, quando pensamos nessa palavra, logo nos vêm à mente elementos como:

  • Imagens;
  • Cores;
  • Textos;
  • Fontes.

São elementos visuais e, de alguma maneira, despertam sentidos como olfatos, audição e tato na criação de soluções. 

Portanto, o principal objetivo do design é criar soluções por meio de um projeto.

É necessário criar uma linha de raciocínio relacionada ao problema que precisa ser resolvido. Para isso, é desenvolvido um conceito e todas as hipóteses e probabilidades são levadas em conta antes de executar o trabalho.

São projetos criados para serem produzidos em escala, onde podem surgir falhas que devem ser apontadas e corrigidas. 

Existem muitos tipos de design, mas o design gráfico é o principal, destinado à projeção de sites. Ele se dedica à comunicação visual, usando elementos como:

  • Desenhos;
  • Imagens;
  • Textos;
  • Códigos;
  • Animações;
  • Diagramação.

Por exemplo, um profissional dessa área, ao trabalhar para o site de uma empresa de cópia de chave para carros, faz toda uma criação e seleção para comunicar bem as ideias.

As figuras usadas vão além de sua imagem real, construindo novos sentidos tanto para a empresa quanto para seus clientes. 

Mas o design gráfico não é aplicado somente em sites, como também em todo meio de comunicação, tais como:

  • Placas;
  • Livros;
  • Símbolos;
  • Jogos;
  • Logotipos;
  • Marcas;
  • Embalagens.

Ou seja, tudo o que estabelece uma comunicação envolve o design gráfico, que vem ganhando cada vez mais força com o desenvolvimento da tecnologia.

Importância do design gráfico para os sites

Uma empresa de pintura predial externa precisa de um bom design gráfico em seu site para que, dessa forma, ela possa mostrar a sua essência por meio de imagens, cores, fontes e outros fatores estéticos.

Isso também inclui a logomarca e qualquer outro item necessário para compor um site. Para fazer um bom trabalho, o designer leva em conta a presença de elementos em outros meio de comunicação usados pela marca.

Alguns exemplos são panfletos, cartões de visita e outras formas de divulgação que a marca tenha utilizado recentemente.

Independentemente de qual seja o mercado de atuação do empreendimento, desde fabricantes de banco para jardim de plástico até escolas particulares, o layout simples e objetivo é sempre o mais recomendado.

Ele pode atrair mais visitantes, até porque o excesso de detalhes deixa o site confuso e dificulta o acesso. 

Mas antes de se apegar à parte estética, é necessário desenvolver um estudo detalhado relacionado aos objetivos da empresa e o perfil de seu público-alvo.

Dessa forma, é possível criar um bom design gráfico para o site, de maneira inteligente, personalizada e que agrade o público.

Essa identidade visual ajuda a estabelecer um forte vínculo entre marcas e consumidores. 

O design marcante é o que vai fazer com que o cliente reconheça a marca e se lembre de seu site dela quando precisar de informações ou comprar.

Dicas para um bom design gráfico em sites

Sabemos que, atualmente, quando o consumidor quer comprar alguma coisa, como sacola de papel lisa kraft, ele vai buscar informações na internet. Ou seja, os conteúdos são extremamente importantes e devem ser levados em conta.

No entanto, assim como um excelente livro pode ser descartado porque não tem uma boa capa, os conteúdos de um site podem deixar de ser lidos porque o design das páginas não está legal.

É comum que pessoas consumam conteúdos medianos por causa de um design incrível e ignorem bons materiais porque o design do site não era atrativo. Infelizmente, isso acontece com muita frequência, e a culpa não é dos usuários.

Na internet, é muito importante ser funcional, pois a concorrência é grande e todos querem atenção, e para não estragar todo o visual de suas páginas, algumas dicas simples de design são:

1.    Atenção ao contorno da imagem

Um dos erros mais comuns de pessoas que não são profissionais dessa área é querer aproveitar todo o espaço disponível, mas é importante lembrar que o vazio também tem seu papel na comunicação.

Os espaços em branco que aparecem entre texto e imagem tornam a aparência mais leve e objetiva, destacando o que realmente importa.

Portanto, recomenda-se usar imagens maiores nas bordas e aumentar o espaço entre elementos não relacionados, o que traz mais clareza à estrutura.

No entanto, antes de finalizar, analise bem e veja se alguma coisa pode ser removida. Livrar-se do que não é relevante transmite as mensagens de maneira mais clara.

2.    Atenção às fontes

As fontes podem e devem mudar em alguns espaços, como no título de um texto ou na página inicial do site. No entanto, nos textos normais, o que realmente funciona são as opções mais clássicas.

No site de uma gráfica de etiqueta adesiva duplo uso, a principal função da fonte é entregar o conteúdo ao leitor, portanto, ele não deve sentir dificuldades nessa simples tarefa.

A dica é encontrar o equilíbrio entre legibilidade e estilo, além de evitar fontes muito estilizadas, pois podem dificultar a leitura. Também deve-se evitar misturar fontes em um mesmo texto, usando no máximo duas.

3.    Usar uma boa paleta de cores

As cores são o toque final e o que garante legibilidade, desperta emoções e influencia diretamente na percepção que o visitante terá da marca.

O site de um buffet a domicílio para casamento, por exemplo, pode apostar no alto contraste, com cores complementares para destacar as informações mais importantes, como palavras-chave, dados, símbolos etc.

4.    Alinhar informações gráficas

O alinhamento é um dos princípios básicos do design gráfico, e apesar de cautela na escolha das cores, este é o momento de inovar um pouco.

Quem tem menos experiência pode acabar se apegando à centralização, mas é possível e importante explorar as opções de alinhamento, como a justificada ou alinhada à esquerda. 

Apesar de centralizar ser mais fácil, essa opção não é tão interessante quanto a outra.

Uma boa dica é fazer alguns testes. Por exemplo, uma pessoa que esteja fazendo o site de um fabricante de fechadura eletrônica apartamento pode ver o que funciona melhor em cada gráfico.    

No entanto, é primordial criar amarras virtuais entre os elementos, para organizar tudo e deixar o ambiente mais confortável para quem acessa.

5.    Apostar na simplicidade

Quando se fala em um bom design gráfico, menos é mais. 

Excesso de cores, fontes e outros itens poluem o resultado final, deixa o design desagradável e pode atrapalhar a mensagem.

O design limpo e simples, mais do que permitir que a mensagem chegue do jeito certo, também passa uma imagem de credibilidade que toda empresa e profissional precisam ter perante seu público-alvo.

Conclusão

O design gráfico é um fator determinante para o sucesso de qualquer site, por isso, apesar de você mesmo poder cuidar dele, recomenda-se contratar um bom profissional para isso.

É ele quem possui as ferramentas e as estratégias que vão transformar o site da marca no caminho do sucesso e da conquista de novos clientes. Ainda assim, com as dicas simples deste texto, é possível iniciar o planejamento do layout do seu site e começar com o pé direito.

O que é Facebook Ads?

O Facebook Ads é a plataforma de anúncios pagos da rede social. Esse recurso tornou-se um dos principais aliados das estratégias de Marketing Digital, devido aos ótimos resultados de divulgação e pelo excelente retorno.

Com ele, é possível atrair novos seguidores para a sua página, bem como tornar o seu negócio mais reconhecido no mercado.

Além disso, o próprio Facebook é visto como a maior rede social do mundo, o que explica o porquê grande parte das empresas concentra seus esforços de marketing na plataforma. 

Só entre os anos de 2010 a 2015, houve um aumento de 680% em investimentos concentrados ao Facebook Ads.

E não para por aí: o Brasil é o terceiro país no mundo com maior número de contas ativas no Facebook, perdendo apenas para os EUA e Índia. São mais de 100 milhões de usuários, e a cada 10 brasileiros, 8 estão ativos no Facebook.

Por esse motivo, qualquer tipo de negócio, seja uma empresa de grande porte ou um profissional autônomo que dá aula de corda para iniciantes, terá um grande público ativo na rede social e pode investir na plataforma de anúncios.

Atualmente, 92% das empresas já têm uma página no Facebook e 70% dos usuários estão conectados a pelo menos um perfil de negócios, gerando 645 milhões de visualizações e 13 milhões de comentários por semana.

Cerca de 67% dos empreendimentos B2C (Business to Consumer), que vendem diretamente para os clientes, conseguiram novos compradores por meio do Facebook.

Mas como fazer uma campanha efetiva com o Facebook Ads?

O artigo de hoje vai dar dicas de como planejar uma divulgação na plataforma de anúncios, além de trazer outras informações importantes para quem deseja fazer marketing no Facebook. Quer saber mais? Então, continue lendo!

Os tipos de anúncio no Facebook Ads

O Facebook Ads oferece diversos tipos de anúncios publicitários, que são separados conforme o objetivo de marketing. 

Dessa forma, é possível escolher o formato baseado em três grupos: por reconhecimento, por consideração e por conversão.

1 – Reconhecimento

Dentro de reconhecimento, tem-se os anúncios por: 1) reconhecimento da marca; 2) por alcance. 

No primeiro caso, a intenção é alcançar as pessoas mais propensas a prestar atenção nos seus anúncios, tornando a sua empresa mais visível no mercado.

Já o alcance tem como propósito exibir o anúncio para o número máximo de pessoas do público-alvo. 

Nesse sentido, uma empresa de instalação industrial elétrica, que tem como objetivo o reconhecimento, pode criar uma campanha segmentada para a sua audiência, com ampla divulgação para os perfis correspondentes aos seus clientes.

2 – Consideração

A consideração consiste nos principais objetivos que levam a pessoas a buscar sua empresa e pesquisar por mais informações. Nesse sentido, é possível elaborar as seguintes campanhas:

  • Tráfego;
  • Envolvimento;
  • Instalações do aplicativo;
  • Visualizações do vídeo;
  • Geração de cadastros;
  • Mensagens.

Tráfego

No tráfego, a intenção é levar as pessoas do Facebook para uma URL escolhida, como uma página de destino do site, uma publicação do blog, entre outras. 

Por exemplo, uma empresa pode produzir um conteúdo sobre pavimentação no blog e disponibilizar o material como anúncio patrocinado na rede social.

Envolvimento

Aqui, o objetivo é alcançar as pessoas mais propensas a se envolver com a publicação, seja por meio de curtidas, comentários, compartilhamentos ou participação em eventos.

Instalações do aplicativo

Ao montar uma campanha para as “instalações do aplicativo”, o interesse é enviar as pessoas à loja, onde elas podem baixar um aplicativo ou software da sua empresa.

Por exemplo, uma empresa de pintura de prédios pode disponibilizar um app para os clientes verificarem algumas opções de revestimento, diretamente por dispositivos móveis.

Visualizações de vídeo

Em “visualizações de vídeo”, o interesse é compartilhar vídeos da sua empresa com o seu público-alvo, oferecendo o conteúdo para as pessoas mais propensas a assisti-los.

Geração de cadastros

O objetivo é atrair leads (potenciais clientes) para a empresa, por meio da coleta de informações pessoais dos usuários interessados no seu produto ou serviço. 

Um exemplo é o cadastro em newsletter, que são os boletins informativos.

É importante oferecer algo em troca ao usuário, por exemplo, um desconto em cópia de chave codificada, um e-book, ou um material diferenciado, porém de alto valor para o público-alvo.

Mensagens

As campanhas voltadas para “mensagens” têm o intuito de melhorar a conexão das pessoas no Facebook, influenciando os clientes em potencial a se comunicarem com a empresa, seja em busca de alguma informação ou para sanar dúvidas.

3 – Conversão

As campanhas de conversão melhoram o interesse dos usuários na sua empresa, facilitando o processo de decisão para compra de um produto ou serviço. 

Por exemplo, um estabelecimento de pintura de prédios pode usar a exibição de catálogo para mostrar os melhores trabalhos da empresa.

Os principais tipos de campanhas de conversão são: conversões, vendas no catálogo e tráfego para o estabelecimento.

Conversões

O objetivo é fazer com que os usuários tomem alguma atitude no site da empresa, como adicionar itens no carrinho, realizar cadastros, ou até mesmo fazer uma compra. 

Ou seja, a campanha agiliza o processo de toda a jornada de compras, levando o cliente até o último estágio do funil de vendas.

Venda de catálogos

Na venda de catálogos, os produtos do seu e-commerce são exibidos nos anúncios, aumentando a geração de vendas.

Tráfego para o estabelecimento

Como o próprio nome já diz, o interesse é promover os pontos comerciais físicos da loja, em especial para as pessoas que se encontram nas imediações.

Por isso, o Facebook Ads conta com uma opção de segmentação por distância. Desse modo, um empresa de impermeabilização de fachada pode atingir os usuários que estão mais próximos do seu estabelecimento.

Como fazer uma campanha para o Facebook Ads

O Facebook Ads é uma plataforma extremamente intuitiva. 

No entanto, é preciso ter um bom planejamento para as campanhas, já que a falta de objetivos específicos e a má segmentação do público-alvo pode arruinar a sua estratégia de marketing.

Além do mais, é necessário reconhecer as especificações de cada audiência, visto que as pessoas interessadas em uma mangueira de irrigação, por exemplo, têm um perfil singular. Com esses dados, a campanha torna-se direcionada e assertiva.

A seguir, separamos algumas dicas de como fazer uma campanha eficiente para o Facebook Ads. Confira!

1 – Entenda a estrutura da campanha

O primeiro passo é compreender a estrutura da campanha no Facebook Ads. Para isso, é necessário traçar um objetivo, conforme os tipos de anúncios. 

Lembrando que só é possível escolher um objetivo por campanha.

2 – Personalize a sua audiência

Essa é uma das partes mais importantes para as campanhas do Facebook. 

Para isso, vale a pena conferir o perfil dos seus principais clientes, destacando algumas informações, incluindo: dados demográficos, preferências, comportamento de compra, etc.

Inclusive, é possível segmentar a audiência conforme a localidade. Assim, se a intenção é atrair pessoas para o seu estabelecimento físico que vende sacola de papel colorida personalizada, é possível segmentar o público em um raio de até 10 km (ou mais) da loja.

3 – Defina um orçamento

Em seguida, chegou o momento de definir quanto se pretende investir no seu anúncio. 

O Facebook oferece opções de orçamento diário ou vitalício, sendo possível limitar o início da veiculação e o término da campanha.

Aliás, é possível agendar a exibição do anúncio para uma data futura, ou torná-lo disponível imediatamente. 

Lembre-se também de definir um teto de gastos, para que o seu orçamento não ultrapasse o previsto no planejamento.

4 – Analise as métricas

Por fim, é preciso verificar quais os resultados da sua campanha. 

O Facebook Ads oferece inúmeros relatórios, trazendo o perfil dos seguidores, quantidade de cliques, engajamento e interação com o anúncio, entre outros pontos.

Com essas métricas em mãos, dá para perceber o que deu certo e o que não deu na sua campanha, corrigindo os erros e ajustando as próximas campanhas.

As métricas também dão uma ideia do ROI (Retorno sobre Investimento), que é um ótimo indicador de desempenho.

Conclusão

O Facebook Ads é uma das plataformas mais eficientes para a criação de anúncios patrocinados na internet. 

Além de ser uma ferramenta importante na maior rede social do mundo, as campanhas podem ser desenvolvidas com um alto nível de segmentação, sendo possível oferecer o conteúdo certo para as pessoas realmente interessadas.

Intuitivo e preciso, o Facebook Ads é adotado por grande parte das empresas. 

No entanto, é preciso focar em um planejamento estratégico, para que os anúncios realmente tenham impacto nas vendas, conversões e reconhecimento da marca.

Sendo assim, o ideal é fazer um acompanhamento constante do Facebook Ads, identificando as tendências e procurando boas condutas de campanha, para ter ainda mais sucesso com suas estratégias de marketing.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Vale a pena investir em Links Patrocinados?

Você já ouviu falar dos Links Patrocinados? Quem trabalha com marketing digital ou está buscando novas estratégias para divulgar a empresa na internet, certamente já deve ter se deparado com esse conceito.

Afinal de contas, embora grande parte das estratégias de propaganda online sejam voltadas para a atração de tráfego orgânico, isto é, através de técnicas não pagas, os links patrocinados são uma ótima alternativa para quem deseja investir um pouco e alcançar resultados a curto prazo.

Inclusive, todos nós já nos deparamos com os links patrocinados alguma vez na vida. 

Quando usados da forma correta, eles são capazes de oferecer uma excelente vantagem competitiva para as empresas.

No artigo de hoje, saiba se vale a pena investir em links patrocinados e quais os benefícios para uma empresa que pretende aumentar seu alcance e divulgar seus produtos. Acompanhe a leitura!

O que são Links Patrocinados?

De maneira resumida, podemos dizer que os links patrocinados consistem em anúncios pagos na internet, que aparecem em formato de texto simples, principalmente dentro dos mecanismos de busca, como o Google, como os primeiros resultados de pesquisa.

Assim, quando digitamos “quadro comando elétrico” no Google, por exemplo, nos deparamos com os primeiros resultados que tratam sobre o assunto ou vendem o equipamento, que geralmente são os anúncios (e são identificados como links patrocinados), seguido de outros sites, que não são pagos.

Alguns especialistas defendem que os links patrocinados incluem qualquer anúncio pago de divulgação de produtos ou serviços, sendo que os conteúdos que aparecem no Google seriam apenas uma das inúmeras possibilidades.

Ou seja, os links patrocinados também estariam presente nas redes sociais, blogs, entre outras plataformas online.

Os links patrocinados são segmentados pelos seus ganhos, incluindo:

  • CPC (custo por clique), pagamento a cada clique;
  • CPM (custo por mil impressões), pagamento a cada mil visualizações;
  • CPA (custo por ação), pagamento somente em alguma ação;
  • CPV (custo por visualização), pagamento para cada visualização.

Os valores pagos também dependem do modelo de anúncio e da palavra-chave escolhida pelo anunciante. 

Isso porque um termo popular, isto é, que tem mais procura dentro dos mecanismos de busca, como por exemplo, “restauração de fachadas antigas”, pode ter um custo maior.

3 benefícios dos Links Patrocinados para a sua estratégia de marketing digital

Os links patrocinados permitem o desenvolvimento de uma estratégia a curto prazo, além de ajudar no aprendizado das empresas, com relatórios de desempenho, sendo possível verificar o perfil do público-alvo e descobrir as necessidades da audiência.

Além disso, esses anúncios ajudam a testar continuamente as keywords (palavras-chave), verificando quais delas têm maior impacto e colaboram para o aumento de tráfego no site da empresa.

Desse modo, os links patrocinados são capazes de avaliar as ideias ruins e descartá-las, evitando maior consumo de tempo e dinheiro. 

Fora que é possível descobrir alguns equívocos nas campanhas, revelando quais são as melhores técnicas de divulgação.

Até porque cada tipo de negócio possui um público específico e, por conta disso, nem sempre a mesma estratégia de marketing digital aplicada a um jardim de infancia 2, é válida para uma loja de roupas, por exemplo.

No entanto, vale lembrar sempre do equilíbrio entre as iniciativas. Ou seja, ao mesmo tempo em que se investe em links patrocinados, não se pode deixar de lado outras ações de marketing digital orgânicas (não pagas).

Abaixo, confira algumas vantagens dos links patrocinados para a divulgação da sua empresa na internet.

1 – Aumento do visitantes no site

Hoje em dia, todo mundo quer ser encontrado no Google. 

Mais do que aparecer no buscador, é preciso ter uma boa classificação, afinal de contas, quando escrevemos “venda de açaí atacado”, por exemplo, temos a tendência de clicar nos primeiros resultados, pois acreditamos que são mais confiáveis.

Por isso, o rankeamento é uma das coisas que mais influencia no número de visitantes do seu site. Daí o porquê muitos planejamentos em marketing digital incluem o aumento do tráfego da página como um dos principais objetivos.

Mas, para quem está começando agora, atrair visitantes pode ser algo bastante difícil. 

Nestes casos, recomenda-se o investimento em links patrocinados para atrair visitantes, direcionando os usuários para o seu site, blog ou landing pages (páginas de conversão).

É necessário buscar pelos termos mais populares, como licenciamento ambiental em campinas, para que os visitantes possam ver seu link patrocinado com mais frequência.

2 – Facilidade de mensuração

Qualquer estratégia de marketing digital deve ser feita com base no público-alvo. 

Sendo assim, o ponto de partida é ter em mãos as características da sua audiência, para construir a persona (representação semi-fictícia do cliente ideal da empresa) e, desse modo, orientar a campanha.

Além disso, é preciso ter condições para medir propriamente os resultados de cada ação e fazer os ajustes necessários. 

Quer dizer, na divulgação de uma guitarra ibanez 8 cordas, quais iniciativas foram mais proveitosas e geraram resultados positivos.

Contudo, pode ser difícil orientar essa mensuração somente nas estratégias orgânicas. 

Por esse motivo, muitas pessoas usam as plataformas de anúncio por conta de suas poderosas ferramentas de métricas e análises, com relatórios das informações que a empresa precisa.

A partir desses dados, é possível reavaliar as maneiras de como estamos trabalhando as campanhas de marketing digital e assegurar um investimento orientado.

3 – Campanhas adaptadas ao budget

Se compararmos um link patrocinado com um anúncio televisivo, iremos perceber que o primeiro tem um custo de investimento muito mais barato, tanto em termos de divulgação, quanto em relação à produção do material.

Por isso, mesmo uma escola de educação infantil zona norte que não possui um budget alto para investimento em marketing, pode adaptar a estratégia dos links patrocinados para o seu teto de gastos.

Ao mesmo tempo, isso garante um melhor ROI (Retorno sobre Investimento), pois normalmente os anúncios pagos tendem a contribuir com o reconhecimento da marca, atrair visitantes e, até mesmo, aumentar as vendas.

Como usar os Links Patrocinados na sua estratégia?

Apesar das inúmeras vantagens dos links patrocinados, muitas pessoas pecam por não saberem como usá-los de maneira assertiva. 

Aliás, marketing digital não é mágica: é preciso ter muito planejamento.

Abaixo, separamos algumas dicas para usar os links patrocinados, válidas para quaisquer negócios, desde um profissional autônomo que deseja dar aula de violão completa para iniciantes, até grandes multinacionais.

Lembramos que é importante reconhecer as especificidades de cada empreendimento, mas com as sugestões a seguir, é possível ter um norte de como aplicar os links patrocinados de modo mais efetivo.

1 – Escolha o melhor canal

O primeiro passo é descobrir onde sua audiência está e, assim, investir no canal mais acessado pelo público-alvo. 

Por exemplo, se os seus clientes usam o Facebook, talvez seja interessante optar por essa plataforma. Mas, se há mais interesse em mecanismos de busca, o Google Ads pode ser uma opção.

Hoje em dia, é possível encontrar uma diversidade de canais. Por isso, a dica é sempre orientar a sua estratégia conforme a persona.

2 – Selecione as melhores palavras-chave

Opte por palavras-chave do seu nicho de atuação e que representem os interesses do público-alvo. Mas, não se descuide dos custos, pois o preço dos termos pode influenciar no seu investimento no link patrocinado.

Portanto, a missão aqui é selecionar as palavras-chave relevantes, mas que não sejam caras demais.

3 – Monte um cronograma

É importante escolher a hora, a data e o tempo do link patrocinado, pois os anúncios têm uma duração limite. 

Para isso, considere os horários de pico de audiência das redes e monte um cronograma organizado.

4 – Mensure os resultados

Por fim, é preciso mensurar os resultados de cada campanha. Somente com essa análise a sua empresa poderá perceber o que deve ser mantido na estratégia de marketing e o que precisa de ajustes.

É possível fazer uma mensuração mais geral, bem como outra mais individual, separando os canais em que cada anúncio foi veiculado. 

Dessa maneira, é possível verificar em qual mídia o investimento foi mais eficaz e se alguma plataforma pode ser deixada de lado.

Conclusão

Engana-se quem pensa que os links patrocinados não ajudam em nada; pelo contrário, eles são aliados da sua estratégia de marketing digital.

Porém, devem ser usados com parcimônia e equilíbrio, levando em consideração os objetivos do seu negócio, o perfil do público-alvo e, é claro, a disponibilidade de investimento.

Com esses cuidados, é possível elaborar uma estratégia paga otimizada, que trará resultados a curto prazo, além de colaborar para a lucratividade da sua empresa, gerando mais visitantes para o seu site e aumentando as chances de venda.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Dicas de marketing de conteúdo para sua loja virtual

O marketing de conteúdo virou um dos principais aliados de e-commerces e lojas virtuais. Muito disso, deve-se à grande capacidade de engajamento do público, com possibilidade conversão de leads (potenciais clientes) e reconhecimento no mercado.

Estima-se que uma estratégia de marketing de conteúdo, quando bem aplicada, é capaz de gerar até 10 vezes mais visitantes no site de uma empresa e atrair 15 vezes mais clientes. 

Além disso, de acordo com a HubSpot, 54% dos consumidores desejam consumir conteúdos de uma marca que apreciam.

Mais do que lojas virtuais, o marketing de conteúdo também se mostra muito eficaz para as empresas B2B (Business to Business, ou negócio para negócio), como uma distribuidora de granola, que vende para outros empreendimentos.

Segundo uma pesquisa realizada pela CMI, 42% dos profissionais de marketing B2B se dizem satisfeitos com os resultados do marketing de conteúdo.

Mas como aplicar a estratégia nos e-commerces?

Acompanhe no artigo de hoje algumas dicas de marketing de conteúdo para sua loja virtual que vão te ajudar nessa empreitada.

Primeiro, o que é Marketing de Conteúdo?

O marketing de conteúdo é uma estratégia voltada ao engajamento do público-alvo, por meio da criação e oferta de conteúdo relevante. 

Ou seja, é uma forma de atrair e envolver a audiência com materiais capazes de gerar valor para quem os consome.

Na prática, podemos imaginar uma propaganda televisiva de um carro fazendo barulho de grilo. Em poucos minutos, o anúncio vai mostrar a oferta e chamar o público para a compra. No marketing de conteúdo, a criação do material é muito diferente.

Ao invés de anunciar logo de cara a oferta, a estratégia irá produzir um texto, vídeo ou outro ativo de marketing que informe o porquê do barulho, que traga algumas possibilidades de conserto, além de conhecimentos preciosos para quem está sofrendo com esse problema no carro.

Ou seja, o marketing de conteúdo não é apenas útil em quesitos de informação, mas também passa a mensagem certa ao público certo, no momento em que ele mais precisa. 

Dessa forma, é possível superar as expectativas da audiência com um material relevante e, consequentemente, a sua empresa constrói uma boa imagem.

Portanto, podemos resumir que o marketing de conteúdo é a estratégia de produzir materiais ao público-alvo, com o objetivo de auxiliar em todo o processo de compra, atraindo clientes de maneira natural e espontânea.

A ideia é informar as pessoas e, com isso, fazer com que elas não só respeitem a marca e a tenha como referência, assim como se transformem em clientes estáveis da sua empresa.

Nesse sentido, o marketing de conteúdo não é sobre o que o seu negócio faz, mas sobre o que os seus clientes precisam.

Afinal de contas, quando alguém busca por uma creche escola particular não quer apenas saber valores de mensalidade, mas também compreender as metodologias de ensino, os benefícios, entre outros aspectos.

Para aplicar o marketing de conteúdo com eficácia, é preciso seguir os quatro pilares básicos da estratégia:

  • A atração por conteúdo relevante;
  • A conversão, com a produção de materiais aprofundados;
  • A venda, demonstrando a solução ao cliente;
  • O encantamento, a construção de uma relação pós-venda.

Por isso, o marketing de conteúdo não é algo que se finda com o compartilhamento do material. 

Ao contrário, é necessário ganhar a confiança do público, para que os clientes também se tornem promotores da sua marca.

Daí a importância de conhecer onde o cliente está em sua jornada de compra. Afinal, se a pessoa já conhece o que é uma manutenção ultrassom, talvez seja o momento de oferecer um material mais aprofundado sobre o assunto.

5 dicas de marketing de conteúdo para e-commerces e lojas virtuais

Atualmente, mais de 73% das empresas brasileiras já adotam o marketing de conteúdo como estratégia de aquisição de clientes. 

O número só tende a aumentar nos próximos anos, devido aos ótimos resultados, especialmente para lojas virtuais e e-commerces.

Isso porque os consumidores online precisam confiar nas empresas, visto que eles não “pegam” na mercadoria. Por isso, a compra é feita com base no conteúdo apresentado, com base em textos, imagens, vídeos, entre outros materiais.

Mesmo um serviço, como a contratação de um motorista executivo bilíngue, precisa ser informado de maneira coerente ao público.

Abaixo, conheça algumas dicas de marketing de conteúdo para o seu e-commerce ou loja virtual e alcance excelentes resultados com a estratégia.

1 – Conheça a persona

A persona é uma representação semi fictícia do seu cliente ideal, com base em características levantadas sobre o público-alvo. Nesse sentido, a intenção é fazer um levantamento da audiência, coletando alguns dados, tais como:

  • Faixa etária e gênero;
  • Estado civil;
  • Nível socioeconômico;
  • Escolaridade;
  • Preferências, profissões e hobbies;
  • Entre outros.

Assim, constrói-se um personagem que mais se aproxima do perfil do consumidor, sendo possível orientar o conteúdo de acordo com a persona.

Imagine, por exemplo, que a intenção é apresentar a guitarra ibanez k7. A partir disso, já podemos constatar que o perfil irá abranger músicos e estudantes de música. 

Quando temos a persona, fica muito mais fácil produzir o conteúdo, elaborando materiais que gerem ainda mais valor à audiência. 

2 – Faça a descrição de produtos

Quando falamos de e-commerces e lojas virtuais, é necessário dar uma atenção especial à descrição dos produtos. 

Por isso, a primeira técnica prática de marketing de conteúdo é criar apresentação convincente das mercadorias.

Vale a pena ir além do nome do produto e o preço, trazendo informações detalhadas sobre o item, por exemplo, a descrição de um alarme antifurto perimétrico e volumétrico.

Esta precisa falar sobre as características do aparelho, como ele funciona, como é feita a instalação, entre outros aspectos.

Tudo isso irá colaborar para que os clientes fiquem mais informados a respeito do seu produto, sendo capazes de tomar decisões mais assertivas de compra, pois eles confiam nas empresas que trazem esses detalhes.

3 – Tenha um blog

O blog é a principal ferramenta para marketing de conteúdo. De acordo com a Content Trends, cerca de 43,2% dos e-commerces e lojas virtuais utilizam o canal como estratégia de venda e para compartilhamento de material interessante.

Além do mais, os conteúdos em blogs podem ajudar os robôs do Google a considerarem seu material relevante para a audiência e, com isso, melhorar o posicionamento da loja virtual nos resultados de pesquisa, o que contribui para o aumento do tráfego orgânico.

Os blogs também colaboram com a construção da credibilidade do seu negócio. 

Por exemplo, se o seu nicho de atuação é o serviço de impermeabilização de caixa d’água de concreto, é possível produzir conteúdos que eduquem a audiência a respeito da atividade e, com isso, as pessoas passam a reconhecer a sua empresa.

Lembre-se que os conteúdos do blog precisam ir de encontro à persona. Desse modo, pode-se estreitar o relacionamento com os clientes e, ao mesmo tempo, divulgar o produto ou serviço do seu e-commerce.

4 – Aplique o SEO (Searching Engine Optimization)

Hoje em dia, o Google é considerado um dos gigantes da internet. 

Tanto que a maioria das pesquisas é feita pelo buscador e, por isso, aparecer entre os primeiros resultados é uma garantia de tráfego orgânico para a sua loja virtual.

Sendo assim, na produção de conteúdo relevante, é recomendável aplicar as técnicas de SEO, ou otimização para os mecanismos de busca, que ajudam o seu material a ser encontrado mais facilmente pelo Google.

Há várias estratégias, entre elas, a construção de conteúdos relevantes, o emprego de palavras-chave (que são os termos mais buscados no Google), o bom relacionamento com o restante da web (link building) e uma boa navegabilidade em dispositivos móveis (celulares, tablets e smartphones).

5 – Vá além dos textos

O marketing de conteúdo não precisa se restringir à criação de artigos em blog. Ao contrário, ele pode ser usado para a elaboração de diversos materiais, como vídeos, infográficos, elementos interativos, entre outros. 

O importante é não deixar de oferecer algo informativo e de valor ao público.

Além disso, diversificar o formato de conteúdos é uma boa maneira de atrair novos clientes. Uma pesquisa da Cisco revelou que os vídeos serão os grandes responsáveis por 85% do tráfego de internet no Brasil.

Por esse motivo, vale a pena procurar por novos formatos, principalmente os que promovem engajamento do público.

Conclusão

Embora não voltado somente para a internet, o marketing de conteúdo encontrou no ambiente um online um campo muito fértil para se desenvolver. 

Muito disso, deve-se ao próprio perfil dos consumidores, que buscam por informações detalhadas a respeito de um produto ou serviço, antes de fechar negócio.

Sendo assim, as lojas virtuais e e-commerces tendem a empregar a estratégia dentro de seus planejamentos de marketing digital, como forma de alcançar os potenciais clientes, nutrir os leads e obter reconhecimento no mercado.

As dicas acima foram apenas algumas ações que podem ser aplicadas no marketing de conteúdo, sempre lembrando de focar na produção de algo interessante ao público-alvo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Como o endomarketing pode ajudar uma empresa

O Endomarketing, popularmente conhecido como “marketing interno”, é uma estratégia capaz de contribuir com a satisfação dos colaboradores, melhorar a percepção positiva da sua empresa e diminuir o turnover (índice de rotatividade dos funcionários), conquistando profissionais muito mais qualificados para o seu negócio.

Aplicado como uma iniciativa conjunta entre o departamento de marketing e de Recursos Humanos, o endomarketing tornou-se fundamental para desenvolver uma boa imagem do seu empreendimento. 

Logo, essa estratégia é tão importante quanto as ações de vendas, publicidade e propaganda.

Nesse sentido, compreende-se que o endomarketing é uma estratégia que começa de dentro da empresa para se estender ao público e, por esse motivo, também contribui com a lucratividade e o reconhecimento do seu negócio no mercado.

Vale dizer que qualquer tipo de empresa pode aplicar as técnicas de marketing interno. Desde uma lavanderia industrial campinas, lojas de roupas, fábricas, entre outros.

O artigo de hoje vai mostrar como o endomarketing pode ajudar uma empresa e dar dicas para implementar a estratégia no seu negócio. Continue lendo!

Mas, afinal de contas, o que é endomarketing?

O endomarketing é uma estratégia de marketing institucional voltada para ações internas dentro das empresas, com o intuito de melhorar a imagem do negócio entre os colaboradores, para ter uma equipe motivada, com menor turnover e melhorar a cultura organizacional do seu negócio.

Por exemplo, imagine uma escola fundamental particular que conta com uma excelente iniciativa de endomarketing. Provavelmente, os professores se sentirão satisfeitos em trabalhar lá, bem como os demais funcionários, algo que influencia diretamente na qualidade do ensino.

Assim, quanto melhor é o aprendizado dos alunos, os pais e/ou responsáveis ficam contentes pelo contrato firmado com a escola, o que colabora com o reconhecimento e autoridade do estabelecimento no mercado.

Portanto, o endomarketing não tem como único objetivo atingir os colaboradores, mas sim, promover um ambiente de trabalho adequado, para que o público também perceba isso e, consequentemente, a empresa tenha um diferencial.

Por esse motivo, dizemos que é um trabalho de dentro para fora. Alguns dos pontos centrais da estratégia são:

  • Desenvolver a felicidade e o espírito de equipe;
  • Melhorar a lealdade dos colaboradores em relação à empresa;
  • Diminuir o índice de rotatividade dos funcionários;
  • Melhorar o clima organizacional;
  • Aprimorar a qualidade de vida dos trabalhadores.

Para atingir os objetivos propostos, uma das principais técnicas do endomarketing visa motivar os colaboradores, fazendo com que eles realmente se sintam indispensáveis e importantes na empresa. 

Assim, o RH e o time de marketing precisam trabalhar juntos, desenvolvendo atividades rotineiras que resultem na integração da equipe.

Um exemplo bastante comum e muito usado é quando uma empresa especializada em conserto de aparelho de ultrassom homenageia o funcionário do mês, demonstrando reconhecimento pelo trabalho realizado.

4 dicas para trabalhar endomarketing na sua empresa com os canais de e-mail

Antes de colocar as técnicas do endomarketing na prática, é preciso lembrar que a estratégia irá trabalhar a parte interna da sua empresa, focando sempre nos colaboradores e na percepção que eles têm sobre o local de trabalho.

Por isso, é preciso ter iniciativas que compreendam muito mais as necessidades e dificuldades da sua equipe de empresa, daí a importância do trabalho em conjunto com o RH. 

Afinal de contas, vale a pena fazer uma pesquisa para saber quais os anseios e desejos do seu público, no caso, os funcionários.

Também é importante notar que, assim como os seus clientes, os colaboradores são bombardeados por uma série de informações, muitas vezes com o auxílio da internet. 

Sendo assim, as empresas têm usado muito o e-mail marketing como canal de troca e comunicação entre as equipes.

Portanto, as dicas de hoje terão como foco o e-mail e como trabalhar essa mídia para melhorar e motivar os colaboradores. Confira!

1 – Envie pesquisas online

Já que o primeiro passo é reconhecer e identificar as necessidades dos funcionários, uma estratégia adotada pelo RH pode ser o envio de uma pesquisa de satisfação por e-mail. 

Assim, quem trabalha com conserto de ultrassom, por exemplo, pode tratar mais sobre quais são as principais dificuldades no ambiente de trabalho, se há uma comunicação efetiva com a gerência e quais os pontos positivos da empresa.

Para maior conforto dos colaboradores, recomenda-se que essa pesquisa seja anônima. 

Afinal de contas, muitos profissionais podem se sentir receosos em reclamar do próprio chefe ou de um colega de trabalho.

2 – Oferta de palestras, treinamentos e eventos corporativos

Os eventos dentro da empresa são ótimas estratégias para o incentivo dos funcionários, bem como para a promoção do aprimoramento profissional, contribuindo para um melhor engajamento, além de integrar os colaboradores.

Por exemplo, uma empresa de aluguel de limousine em guarulhos pode promover um treinamento voltado ao atendimento humanizado, para capacitar a equipe de vendas e, com isso, alcançar melhores resultados de venda.

Ou seja, os eventos contribuem diretamente para melhorar a qualidade dos serviços e também ajudam no crescimento pessoal e profissional dos colaboradores. Por isso, além de promovê-los, é preciso divulgá-los à sua equipe.

Use o e-mail marketing para fazer essa oferta e lembrar os colaboradores sobre a importância da participação. 

É possível enviar convites online também, para o controle de presença e para verificar quem realmente está participando das iniciativas da empresa.

3 – Produza boletins informativos sobre o mercado

Assim como os clientes, os colaboradores também desejam ser bem informados a respeito do nicho de atuação e o mercado. 

Por exemplo, se uma nova tecnologia de bico aspersor de água foi lançada, é importante que as empresas agrícolas ou que trabalham com torres de resfriamento saibam do que se trata.

Por conta disso, uma dica é produzir boletins informativos, ou newsletters, para os funcionários. 

Dessa forma, eles podem acompanhar as principais tendências, bem como outras novidades que podem ser interessantes para o trabalho.

Além disso, esse conteúdo também pode incluir informações sobre o que ocorre dentro da empresa, como uma matéria sobre o funcionário do mês, lançamento de um novo produto ou serviço, até mesmo a participação dos colaboradores em algum evento.

4 – Troque mensagens diretas com os colaboradores

O e-mail pode ser um ótimo canal para troca de mensagens diretas entre os colaboradores e outros funcionários, bem como gestores e supervisores.

Por exemplo, é possível enviar uma dúvida a respeito do comodato de impressora diretamente para o setor responsável ou para o líder de equipe. 

Isso torna a comunicação mais ampla e aberta ao diálogo, o que é fundamental para a motivação dos colaboradores.

Afinal de contas, muitos problemas dentro das empresas são causados por falhas de comunicação, algo que pode ser facilmente resolvido com a ajuda do e-mail.

Como produzir um bom e-mail para o marketing interno?

Embora o e-mail possa ser trabalhado de inúmeras formas na estratégia de endomarketing, é importante saber como usá-lo, para que o canal se torne atraente aos colaboradores e possam realmente motivá-los na empresa.

Sendo assim, é preciso manter a qualidade dos conteúdos. 

Por exemplo, ao criar uma notícia sobre uma nova joia, como o anel pedra pirita, busque informações verdadeiras, que sejam relevantes ao público-alvo, isto é, os colaboradores.

Por esse motivo, o marketing de conteúdo precisa andar lado a lado com o endomarketing, já que a oferta de materiais interessantes é um dos pontos centrais para as ações de comunicação e marketing interno.

Também é preciso ter atenção à quantidade de e-mails. Ninguém quer uma caixa de entrada lotada, ou um envio ininterrupto de mensagens, prejudicando a realização de tarefas do funcionário. Ou então, um déficit, deixando o colaborador pouco informado sobre o que acontece dentro da empresa.

Por isso, o ideal é ter um equilíbrio – nem muito, nem pouco. Mas sim, a quantidade ideal para manter a sua equipe informada, sem atrapalhar o trabalho.

Fora isso, vale considerar que grande parte dos funcionários acessa o e-mail marketing da empresa por dispositivos móveis (tablets, celulares e smartphones). 

Por isso, é importante que as mensagens possam ser lidas em telas menores, mantendo uma boa navegabilidade.

Conclusão

Engana-se quem pensa que o marketing é voltado só para ações do público externo, com objetivo de atrair novos clientes e aumentar as vendas. 

De nada adianta investir somente nisso, se os próprios colaboradores não estão satisfeitos com o local de trabalho.

Por isso, o endomarketing (ou marketing interno) torna-se tão importante quanto o externo, sendo capaz de motivar os funcionários, gerar engajamento das equipes e, como consequência, influenciar na qualidade de atendimento, produtos e serviços.

Entre as mais variadas estratégias de endomarketing, destaca-se o uso do e-mail, não só como canal de comunicação, mas como uma mídia eficiente para a integração de colegas de trabalho e envio de conteúdo relevante.

Em um mundo cada vez mais conectado, já era de se esperar que as técnicas de marketing interno tivessem que incluir novas tecnologias, aprimorando as atividades e contribuindo para um bom clima organizacional.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.